domingo, 13 de novembro de 2022

Tolerância e intolerância

“Tolerância e intolerância se aplicam a duas coisas totalmente diferentes. A tolerância se aplica apenas a pessoas, mas nunca a princípios; a intolerância se aplica apenas aos princípios, mas nunca a pessoas. Devemos ser absolutamente intolerantes com as verdades da matemática, mas devemos ser tolerantes com o matemático. Não devemos ter a mente aberta ao recebermos nossas contas e dizer que vinte e vinte podem dar sessenta, mas devemos ser tolerantes com o dono da mercearia que comete o erro. Nada é tão assustadoramente exclusivo quanto a verdade. Devemos ser intolerantes com a verdade, pois ela é obra de Deus e não nossa. Devemos ser tolerantes com as pessoas, pois elas são humanas e sujeitas ao erro”.
(Fulton Sheen, The Mystical Body of Christ)

domingo, 6 de novembro de 2022

O Massacre do Norte

“No início dos anos setenta, no primeiro século de um novo milênio, uma terrível calamidade se abateu sobre os ingleses nas mãos do novo grupo dominante vindo do exterior.
Não se preocupem, não vim do futuro para dizer que perdemos e que agora já podemos desistir. Estou me referindo a um evento histórico de quase mil anos atrás que não é tão conhecido como deveria ser - o Massacre do Norte.
A invasão normanda de 1066 passou para a memória popular quase como o momento fundador da história inglesa, mas pouca atenção é dada ao que aconteceu imediatamente após a Batalha de Hastings.
Os anglo-saxões não aceitaram simplesmente o domínio estrangeiro de forma silenciosa. O exército de Guilherme, o Conquistador, passou os próximos dois meses após a batalha marchando pelo sudeste da Inglaterra e ganhando o controle dos vários pontos estratégicos de que precisava, antes de Guilherme ser coroado rei no dia de Natal de 1066.
As rebeliões surgiram esporadicamente pelo restante da década, e nenhum lugar foi mais rebelde do que o norte da Inglaterra, onde Guilherme essencialmente não tinha autoridade a norte de York. Guilherme nomeou dois ingleses sucessivamente para o cargo de conde de Nortúmbria para tentar apaziguar a região, mas ambos foram assassinados. O terceiro conde então mudou de lado e juntou-se à rebelião, que girava em torno de Edgar Ætheling, então apenas um adolescente, mas sobrinho-neto de Eduardo, o Confessor.
Guilherme então nomeou um normando como conde de Nortúmbria, um de seus próprios homens, Robert de Cumin, junto com um séquito de cerca de 500 homens. Eles também foram mortos pelo exército rebelde em Durham, que depois marchou em direção ao sul até York e matou o comandante da guarnição do castelo recém-construído. A resposta de William foi rápida e implacável.
Rebeliões em pequena escala eclodiram em vastas regiões da Inglaterra durante todo o ano de 1069. Elas foram reprimidas sem muitos problemas, até que uma frota de invasão dinamarquesa emergiu no estuário do Humber, para apoiar a reivindicação de Edgar ao trono. A força aliada anglo-dinamarquesa logo retomou York.
Por mais brutal que o domínio dinamarquês pudesse ser, muitos no norte da Inglaterra o preferiam ao governo dos normandos. Afinal, eles tinham acabado de conviver 300 anos com os dinamarqueses, que eram pelo menos inimigos conhecidos. Esta foi a maior derrota normanda de toda a conquista e tornou-se a mais séria ameaça ao reinado de Guilherme na Inglaterra.
Pela terceira vez em dois anos, o exército de Guilherme marchou para York, apenas para descobrir que o exército rebelde havia fugido e os dinamarqueses recuado para seus navios. Os dinamarqueses foram facilmente pagos para partir, mas como os rebeldes não iriam enfrentar os homens de Guilherme, este dividiu seus homens em grupos de ataque e ordenou que reprimissem qualquer rebelião futura, certificando-se de que os rebeldes não tivessem os meios necessários para a sobrevivência.
Ao longo de 160 quilômetros do norte da Inglaterra, do rio Aire no sul ao rio Tyne no norte, os homens de Guilherme destruíram plantações e assentamentos indiscriminadamente durante o inverno de 1069/70, não importando de que lado a população local estava. Os estoques de alimentos e o gado não foram poupados e, dada a época do ano, o resultado foi a fome em massa.
Infelizmente, há muito poucos relatos de testemunhas oculares, mas o cronista John de Worcester, escrevendo algumas décadas após o evento, afirmou que a comida ficou tão escassa depois dessa devastação, que as pessoas se viram na necessidade de comer não apenas cavalos, cães e gatos, mas até carne humana para sobreviver.
Alguns fugiram em direção ao norte até a Escócia, outros fugiram para o sul, até Worcestershire. O abade de Evesham, a mais de 150 milhas de York, montou um acampamento para acomodar os refugiados que chegavam. Ele escreveu sobre pessoas que morriam a uma taxa de cinco ou seis por dia, seja por exaustão ou por comerem tão vorazmente a comida que lhes era fornecida, que seus corpos famintos não suportavam.
O monge Simeon de Durham escreveu:
“Era horrível ver cadáveres humanos em decomposição nas casas, nas ruas e nas estradas, fervilhando de vermes.
Pois não havia restado ninguém para enterrá-los, tendo todos morrido pela espada ou pela fome... Não havia nenhuma aldeia habitada entre York e Durham - elas se tornaram lugares para a espreita de feras e ladrões.”
Nem é preciso dizer que esta era uma época muito diferente, com idéias muito diferentes sobre a santidade da vida humana. Mas a extensão da destruição e do sofrimento infligidos aos não combatentes foi extraordinária, mesmo para os padrões da época, e até mesmo os contemporâneos de William ficaram chocados com o nível de crueldade.
Diz-se que um soldado do exército de William, Gilbert d'Auffay, voltou para a Normandia, recusando a oferta de propriedades na Inglaterra. Outro, chamado Reinfrid, ficou tão afetado pelo que viu durante o massacre que se tornou monge em Evesham e mais tarde voltou a Yorkshire para refundar a abadia abandonada de Whitby.
Guilherme de Jumièges, que escreveu seu livro Gesta Normannorum Ducum (Feitos dos Duques Normandos) a pedido do próprio Guilherme, o Conquistador, descreveu como o rei “massacrou quase toda a população, desde os muito jovens aos velhos e grisalhos”. A Crônica Anglo-Saxônica relata que Guilherme foi para Yorkshire em 1069 e “a arruinou completamente”.
O monge do século XII, Orderic Vitalis, escreveu em um livro sobre a vida de Guilherme, o Conquistador:
“Quando penso em crianças indefesas, jovens na flor da idade e respeitáveis barbas grisalhas, todos morrendo de fome, fico tão comovido que prefiro lamentar a dor e o sofrimento das pessoas miseráveis ​​a fazer uma tentativa vã de lisonjear o perpetrador de tal infâmia. Não posso dizer nada de bom sobre esta matança brutal. Deus irá puni-lo.”
Vitalis afirma que até 100.000 pessoas morreram no Massacre do Norte, seja pelos assassinatos iniciais ou subseqüentemente pela fome. Foi relatado que alguns se venderam como escravos para evitarem morrer de fome.
Muitos outros historiadores duvidam deste número convenientemente redondo, mas o número de mortos ainda é provável que esteja na casa das dezenas de milhares, que é um número significativo, considerando a população da Inglaterra na época, de cerca de dois milhões.
Alguns historiadores modernos se referem ao evento como um genocídio, um termo que não foi cunhado até 1944. Pessoalmente, considero-o uma hipérbole. Não foi uma tentativa intencional de eliminar os ingleses como povo, mas uma tentativa de torná-los impotentes e mostrar-lhes quem estava no comando. Foi também uma estratégia muito bem-sucedida, uma vez que não haveria mais rebeliões em grande escala depois que Guilherme instalou normandos em todas as posições de poder.
As áreas mais afetadas demoraram muito para se recuperar. Simeon de Durham escreveu que o campo permaneceu abandonado e sem cultivo por mais nove anos. Mesmo na época em que o Domesday Book foi compilado, dezesseis anos após os eventos de 1070, um terço das terras disponíveis em Yorkshire ainda estavam registradas como vasta ('abandonada'). A população era apenas um quarto do que fora antes, o que corresponde a um declínio de 150.000 pessoas.
A melhor maneira de compreender eventos em uma escala tão grande como o Massacre do Norte é reduzi-los a um nível individual. A mãe dizendo aos filhos que eles não verão mais o pai e que eles não têm onde dormir, nem comida para comer naquela noite. As famílias marchando para o sul em meio à chuva e à neve e tendo que deixar seus membros menos robustos na beira da estrada, um por um. Eles eram seres humanos com sentimentos, assim como nós.
É claro que nem é preciso dizer que os camponeses medievais estavam familiarizados com o conceito de morte prematura, bem como acostumados a muitas outras adversidades que nem sequer poderíamos imaginar. É claro que também percebo que o Massacre do Norte não foi nada único, e algo igual ou pior já aconteceu a muitos, se não à maioria dos outros povos em algum momento da história.
Mas o que mais me impressiona em todo esse episódio é o quão relativamente desconhecido ele é hoje, considerando que realmente foi uma das piores coisas que já aconteceram ao povo inglês. Freqüentei uma escola em North Yorkshire e só me lembro vagamente de ter lido de passagem sobre um acontecimento que era conhecido pelo termo incomum de "Massacre", mas, fora isso, não fiquei impressionado e, até recentemente, tinha ouvido falar muito pouco sobre tais fatos.
Não ajuda em nada que a parte do país onde isso aconteceu tenha permanecido um fim de mundo durante muito tempo até a Revolução Industrial. Se tivesse sido o Massacre do Sul e tivesse acontecido mais perto do centro da vida cultural do país, provavelmente teria um papel muito mais proeminente nos mitos nacionais de hoje.
Nos últimos anos, esforços têm sido feitos para derrubar a visão tradicional da história escrita pelos vencedores. Eventos de muito tempo atrás foram ressuscitados e receberam um novo sopro de vida, sempre que pudessem ser usados ​​para promover uma narrativa conveniente de vítimização.
Para dar um exemplo diferente dos óbvios sobre escravidão e colonialismo, há um nível cada vez maior de consciência pública sobre o massacre de Peterloo em 1819, quando 18 pessoas que protestavam pela reforma parlamentar foram mortas por cavalaria armada. O 200º aniversário do evento no ano passado foi marcado por uma série de eventos públicos, e o massacre foi tema de um filme de Mike Leigh.
No entanto, aquela época, em que a população de Yorkshire diminuiu em 75% e as pessoas se viram na necessidade de comer seus próprios familiares porque não queriam ser cidadãos de segunda classe em seu próprio país, ainda não penetrou profundamente na consciência nacional.
Não há memoriais para os mortos em lugar nenhum que eu saiba, nem mesmo em York, que tem um memorial na Torre de Clifford para um massacre antijudaico que aconteceu no século XII. O 950º aniversário da matança de 100.000 ingleses transcorreu no inverno passado sem eventos comemorativos de qualquer espécie.
O Massacre do Norte é retratado na Tapeçaria de Bayeux, mas nenhuma das peças teatrais históricas de Shakespeare faz qualquer menção ao evento. Nenhum poeta, pintor, autor ou cineasta conhecido, antigo ou moderno, produziu algo que o imortalizasse na memória popular.
Mesmo morando no norte da Inglaterra, quando quis fazer uma pesquisa sobre o assunto não consegui encontrar sequer um único livro nas bibliotecas de meu condado inteiro, para não falar da biblioteca da minha cidade, que sediou uma exposição especial para o Dia da Memória do Holocausto, em nome de nossa população judaica de 0,38%.
Normalmente não pensamos na Conquista Normanda como tendo qualquer legado significativo em nossos dias, mas apesar de agora pessoas com sobrenomes normandos como Beaumont ou DeVere serem indistinguíveis de nós, elas ainda tendem a ser mais ricas do que aquelas com um sobrenome inglês normal, e ainda mais em comparação com aquelas com nomes que soam tipicamente do norte, como Bradshaw ou Thompson.
Este ano assistimos a um ataque repentino ao legado e à memória daqueles que enriqueceram com o tráfico de escravos, como parte de uma fúria voltada para a correção de erros históricos, independentemente de como era a vida séculos atrás e de a escravidão ser considerada aceitável na época.
Nenhum raciocínio por trás disso, no entanto, é também aplicado para destruir a percepção pública daqueles que receberam grandes propriedades que foram violentamente tomadas dos anglo-saxões, sem importar quanto sangue havia em suas mãos e por quanto sofrimento foram responsáveis. A costumeira dinâmica oprimido-opressor e a idéia de haver uma virtude na condição de vítima não parecem contar neste caso.
Estou tão acostumado a pensar que os ingleses foram os vencedores da história, que instintivamente não parece normal ou apropriado pensar que já fomos vítimas, embora, neste caso, tenhamos sido. Terão sido vítimas do Massacre do Norte meus ancestrais? Certamente há uma grande possibilidade. Dado o número de pessoas afetadas e o número de descendentes que alguém que viveu em 1070 terá hoje, é bem possível que seus ancestrais também tenham sido, se você tiver ainda que um mínimo de sangue inglês, não importando onde viva no mundo.
Contudo, para ser honesto, tenho dificuldade em ver os ingleses de 1070 como sendo realmente nós. Posso me identificar facilmente com pessoas de até mais ou menos 300 anos atrás, mas para épocas anteriores as coisas começam a ficar muito confusas. As pessoas cujas casas e fazendas foram incendiadas e que fugiram para salvar suas vidas (ou seja, os que tiveram sorte) provavelmente eram, em sua maioria, parecidas fisicamente conosco, mas não teríamos quase nada em comum para conversar com elas, se por um milagre chegássemos a entender algumas palavras que um dissesse ao outro.
Eles não eram nós, mas precisaram existir para que pudéssemos vir ao mundo, da mesma forma que não vejo meu eu de três anos de idade como, em qualquer sentido significativo, o mesmo eu que está escrevendo isto agora, e no entanto há ainda uma razão pela qual pretendo mesmo assim guardar as fotos antigas.
Não quero um pedido de desculpas de quem quer que seja o político de mais alto escalão na Normandia e também não quero que derrubem a estátua de Guilherme, o Conquistador, porque isso não significaria nada. Espero, para seu próprio bem, que ninguém que hoje viva se sinta nem um pouco culpado por isso e que possam negar a cifra de 100.000 o quanto quiserem; eu não me importo. Guilherme, o Conquistador, fez o que precisava fazer e, se os anglo-saxões não gostaram, então mais deles deveriam ter lutado ao lado do rei Harold em Hastings.
Os anglo-saxões perderam seu país em 1066 e prevê-se que nos tornaremos minoria no nosso em 2066 (uma projeção que se baseia em dados de 10 anos atrás; portanto, realisticamente, essa data já pode ter sido bastante antecipada).
No entanto, os anglo-saxões de 1070 constituíam uma parcela muito maior da população do que somos hoje. Os normandos dominaram completamente a Inglaterra sendo menos de um por cento da população, e os britânicos governaram a Índia por muito tempo sendo muito menos do que isso. Não é apenas uma simples questão de quem compõe qual percentagem da população, mas de quem tem o poder e está disposto a usá-lo.
A razão pela qual desejo que os acontecimentos de 1070 sejam mais conhecidos não é chafurdar em um sentimento de vitimização por eventos que ocorreram há muito tempo, mas pela relevância de sua mensagem para nós hoje, na bela confusão em que nos metemos.
Nunca devemos nos deixar tornar a raça subjugada em nosso próprio país; lembrem-se do que aconteceu da última vez.”
(Alex Simmonds, The North Doesn’t Remember

https://www.patrioticalternative.org.uk

segunda-feira, 12 de setembro de 2022

A ilusão dos reformadores religiosos

“Outra coisa que vale a pena notar é que todos os autointitulados ‘reformadores’ [em religião] constantemente anunciam sua reivindicação de estar retornando a uma ‘simplicidade primitiva’, que certamente nunca existiu, exceto em sua imaginação. Isso às vezes pode ser apenas uma maneira conveniente de esconder o verdadeiro caráter de suas inovações, mas também pode muitas vezes ser uma ilusão de que eles próprios são vítimas, pois é frequentemente muito difícil determinar em que medida os aparentes promotores do espírito antitradicional estão realmente conscientes do papel que estão desempenhando, pois não poderiam de forma alguma cumpri-lo a menos que eles mesmos tivessem uma mentalidade distorcida.” 
(René Guénon, Le Règne de la Quantité et les Signes des Temps)

quarta-feira, 6 de julho de 2022

Passo a passo da Grande Substituição

“Existem duas expressões comuns que são usadas para descrever o fato de que os europeus estão em via de se tornarem minorias em seus próprios países. Uma delas é “A Grande Substituição” e a outra é “Genocídio Branco”. Se você já viu a frase “Genocídio Branco” usada antes, não terá dúvida de que também viu a resposta costumeira que recebe; isto é, a tentativa de desconstruir a palavra “genocídio” em vez de abordar o assunto muito sério em questão. 
Apesar da definição oficial das Nações Unidas de "genocídio" endossar que o uso acima é correto, ainda é uma expressão que tendemos a evitar, já que muito tempo acaba sendo dedicado à semântica. No entanto, consideremos por um momento a expressão "genocídio suave" e o que isso pode acarretar... 
1  – Infiltre-se nas instituições políticas, educacionais e de mídia do país. 
2 – Imponha impostos onerosos e custos de vida elevados para a população nativa. 
3 – Declare guerras injustas criando refugiados e depois abra as fronteiras para os mesmos. Aceite até imigrantes econômicos sob a desculpa de que eles também são “refugiados”. 
4 – Pregue e ensine o relativismo cultural onde todas as culturas são iguais, não importa quão bárbaras algumas sejam. 
5 – Ensine aos jovens apenas as piores partes da história dessa nação e promova e recompense a culpa e o ódio a si mesmo. 
6 – Use o feminismo como uma ferramenta para destruir a relação entre a população nativa masculina e feminina. 
7 – Aplique políticas de multiculturalismo e diversidade para que a população não nativa não seja assimilada pela população dominante e, desta forma, crie microcolônias ou micronações dentro da nação maior. 
8 – Prenda ou silencie os nativos que falam contra essas políticas por meio de leis de “discurso de ódio” e/ou ostracismo social. 
9 – Promova a ideia de ter nenhum ou poucos filhos para a população nativa em nome do ambientalismo, enquanto usa o estado de bem-estar social para subsidiar o crescimento da população não nativa e a ajuda estrangeira para subsidiar o crescimento populacional nos países de origem dos não nativos. 
10 – Promova a ideia de que a nação é uma terra de imigrantes e que não existe população indígena, despojando os nativos da terra. 
11 – Promova a ideia de que a população indígena não pode ser vítima de racismo ou crimes de ódio e, para encobrir os crimes cometidos contra ela, a ideia de que a população indígena é de alguma forma “privilegiada”, alimentando assim o ódio à mesma. 
12 – Implemente cotas ou ações afirmativas com base na identidade/cor da pele em vez de mérito, colocando assim os não nativos em posições de poder e domínio.”

https://www.patrioticalternative.org.uk

terça-feira, 21 de junho de 2022

A Igreja e o Mundo

“O mundo é o grande recurso de Satanás, seu arsenal, seu exército e o meio por excelência de suas vitórias. Ele lhe empresta olhos para ver, lábios para falar e sorrir, mãos para trabalhar, escrever e acariciar; ele põe o diabo no meio de nós, faz com que se sente em nossos lares e entrega-lhe tudo o que nos diz respeito ou pode influenciar nossa vida. Uma palavra resume tudo: o humaniza. Assim como a Igreja é como a encarnação contínua de Jesus, seu Corpo Místico espalhado nos lugares e no tempo, assim também o mundo é como a encarnação de Satanás, e realmente a igreja do diabo. Tudo o que a Igreja é e faz na terra para a santificação e salvação das almas, o mundo é e faz para a sedução e perdição eterna”.
(Arcebispo Charles Gay, Vida e Virtudes Cristãs Consideradas no Estado Religioso)

quarta-feira, 15 de junho de 2022

Como o coronavírus conquistou o mundo

“O léxico de chavões mentirosos do governo ganhou outra entrada vergonhosa. “Apenas três semanas para achatar a curva!” eles imploraram, há um longo ano. No entanto, após doze meses de autoritarismo e solidão imposta pelo Estado, em Miami equipes da SWAT estão prendendo foliões em férias de primavera. Protestos contra o confinamento de Amsterdã a Kassel estão se intensificando por toda a Europa.
As tão alardeadas vacinas parecem não nos ter aproximado da liberdade. As justificativas iniciais para a suspensão da liberdade, sem dúvida, serão agora classificadas na história ao lado de slogans inglórios como "as tropas estarão em casa no Natal" e "diversidade é nossa força". Os debates continuam a se acirrar sobre a letalidade e a origem do Coronavírus, mas, na verdade, já se tornaram discussões amplamente acadêmicas.
O Coronavírus não é primariamente um fenômeno epidemiológico, mas sociológico e político. Nossa pergunta não deve ser por que essa pandemia aconteceu agora, mas por que os governos e as sociedades responderam a ela da maneira como o fizeram.
A verdade pode ser que o Coronavírus não surgiu em Wuhan há um ano, mas, ao contrário, esteve incubado na psique das sociedades modernas durante anos. A facilidade com que as populações não apenas consentiram com as restrições governamentais, mas voluntariamente ainda exigiram mais delas é a prova de que já havíamos aceitado em nossos corações a premissa dos confinamentos contra o Coronavírus há muito tempo.
É importante notar que quase todas as tendências e mudanças que o Coronavirus aparentemente desencadeou são, na verdade, simplesmente uma aceleração do que era preexistente. Atomização, uma retirada do mundo físico para o digital, uma histeria coletiva neurótica em face da morte sem uma estrutura espiritual, a expectativa de que o governo proverá, uma crença pseudo-religiosa em especialistas e redenção científica, e a hiperpolitização da atividade comunitária.
Ao examinarmos o Coronavírus como uma exibição social em vez de um surto viral mortal, é útil identificarmos quem tem consistentemente resistido ao bloqueio. Em primeiro lugar, as comunidades religiosas no Ocidente continuaram suas vidas sem obstáculos. Algumas semanas atrás, a fortaleza judaica ortodoxa de Stamford Hill em Londres tinha a maior taxa de infecção por Coronavírus no Reino Unido.
Da mesma forma, vários casos importantes de casamentos e festivais religiosos indianos e paquistaneses estão sendo encerrados; e não passou despercebido que cidades como Bradford e Leicester, com grandes populações de minorias étnicas, tinham taxas de infecção por Covid desproporcionalmente altas. É popular na direita apontar isso como um exemplo do fracasso do multiculturalismo, destacando que as comunidades de imigrantes não cumprem as leis da terra e que os governos são muito tímidos para aplicá-las em todo caso, temendo acusações de racismo. Esses pontos são, é claro, ambos verdadeiros. Mas isso também talvez diga mais sobre as sociedades anfitriãs ocidentais do que sobre aqueles que optaram por migrar para elas.
Liberais aflitos podem atribuir essa diferença de atitudes étnicas ao Coronavírus à falta de educação e recursos ou à nossa insensibilidade a valores culturais alternativos. Traduzindo, isso significa que as comunidades judaica, hindu e islâmica não foram moralmente intimidadas por uma doença com uma taxa média de mortalidade, na maioria dos casos, acima da expectativa de vida média; e também não ficaram impressionadas com o potencial de ostracização social se não obedecessem.
Naturalmente, pode ser que elas estejam além da reprovação pública no Ocidente, mas sua resposta tem sido perene, e não moderna. Protegidas pela fé, adotaram uma visão teologicamente fatalista e optaram por continuar a celebrar o ciclo da vida e da morte – casamentos, nascimentos, funerais e aniversários. Os gritos estridentes de indignação moral sobre o egoísmo que mata a avó têm muito menos peso se você já aceitou que seus avós vão morrer, e você também. Em um mundo movido pelo sofrimento e pelo caos temporal, elas optaram por ter vidas que fazem sentido em vez de, potencialmente, viver apenas um pouco mais na criostase autoimposta pelas sociedades ocidentais.
Enquanto esses grupos religiosos prosseguiam com suas reuniões clandestinas na mesquita ou na sinagoga, os britânicos eremitas ousaram deixar seus esconderijos parecidos com úteros para aplaudir estupidamente o NHS em um ato pseudorreligioso de adoração. Sem uma base metafísica, apenas a quantidade, e não a qualidade de vida, tem algum valor. Se enfermeiras e médicos são os sumos sacerdotes desta nova religião, eles têm todo direito a serem venerados e bajulados. A transição de um governo de gerentes intermediários oligárquicos para a dominação total por um grupelho científico não eleito não foi realmente tão drástica, pois a política já havia sido reduzida a nada mais do que um exercício racionalista e utilitário de solução de problemas.
A única coisa em que os partidos políticos parecem discordar é se as restrições são duras o suficiente e se a logística de policiamento e vacinação tem sido suficientemente draconiana. Nenhum exame filosófico dos objetivos do confinamento é permitido. Ainda assim, isso não é surpreendente em sociedades que também não permitem o questionamento das vacas sagradas da diversificação demográfica, das desventuras da política externa ou da toxicidade da Cultura do Cancelamento quando certos fenômenos sociais são abordados. A população já havia sido intimidada e pré-programada para aceitar inquestionavelmente novas doutrinas por anos de repressão à liberdade de expressão e ao pensamento independente.
Isso não significa, no entanto, que o confinamento seja impopular. Se houvesse uma votação democrática, é provável que em muitos países ocidentais poderia ser mantido no futuro, talvez até indefinidamente. No Japão, enormes segmentos da população se retiraram totalmente da sociedade, vivendo suas vidas em seus quartos, sustentados pelos pais ou pelo Estado, vivendo em condição de total vergonha social, desenvolvimento interrompido e consumo hedonista.
O termo para isso é Hikikomori. O que à primeira vista pode parecer uma anomalia da cultura japonesa é, na verdade, um vislumbre do futuro da sociedade moderna. Somos todos Hikikomori agora. Uma parte significativa das pessoas não tem pressa em retornar à normalidade porque a normalidade para elas era o isolamento social e a alienação com exigências adicionais que lhes eram impostas. O que o mundo exterior ainda oferece a essas pessoas? A resposta para um número crescente são empregos corporativos sem alma, desnecessários e insatisfatórios em um mundo atomizado onde ninguém ao seu redor se parece com você, situado em meio a vilas e cidades cada vez mais globalizadas e intercambiáveis.
A Suécia é talvez o caso mais avançado dessa decadência terminal da modernidade, embora tenha as restrições de confinamento mais leves da Europa. A princípio, isso parece paradoxal, mas, de muitas maneiras, apenas reforça a análise. Com sua enorme população migrante que, pelos motivos descritos anteriormente, não respeitaria quaisquer restrições, e com sua sociedade completamente atomizada e autocensuradora na qual quase 40% das pessoas vivem sozinhas, as restrições legais formais talvez tenham sido consideradas desnecessárias quando a vasta maioria da população se autopoliciaria seguindo o Jantelagen. As comunidades de migrantes nunca seriam obrigadas a obedecer de qualquer maneira.
Tudo isso ilustra uma percepção fundamental: as estruturas de incentivo das sociedades ocidentais foram alteradas drasticamente nas últimas décadas. A aquisição de riqueza, a transmissão dos próprios genes para a próxima geração e o ganho de posição social na comunidade local foram substituídos por sinalização de virtude e subida na escada de influência social da comunidade digital global.
Vivemos online. Nossa comunidade é nosso feed do Twitter, nosso grupo de jogos, nossas fotos com curadoria do Instagram. É claro que esta não é uma avaliação particularmente original ou convincente por si mesma, mas também devemos entender que a natureza da vida digital mudou. Embora a mídia social tenha sido lançada como um meio para se conectar e manter contato com amigos do mundo real, agora é um veículo para conformidade, pensamento de grupo e passividade. Isso é sublinhado por uma mudança sutil, mas significativa, na linguagem das relações sociais. Os outros não são mais amigos como eram no início das mídias sociais, mas agora são apenas seguidores.
A interação social online deixou de ser bidirecional e recíproca; é a do devoto e do líder de culto. É uma mentalidade de escravo e senhor. Portanto, é improvável que uma revolta repentina contra o consenso popular surja daqueles que, mesmo em seu domínio online privado, são líderes de torcida passivos. O fato é que o mundo físico perdeu o controle sobre a imaginação moderna.
Sair para ganhar a vida é uma atividade quase arcaica quando avançamos em direção a estados tão abrangentes que fornecerão uma renda básica universal impulsionada pela impressão de moeda sem lastro. A ascensão do Bitcoin é uma reação ao sentimento de que nossas economias são uma ficção gigante, acumulando dívidas que nunca se destinam a ser pagas, presididas por um punhado de oligarcas com mais riqueza do que poderíamos imaginar. Nessas condições, sair e entrar no escritório parece terrivelmente antiquado.
Da mesma forma, o sexo foi relegado a uma atividade solo na era digital, à medida que a pornografia suplanta a procriação para a geração Onlyfans. No Ocidente, há cada vez menos âncoras comunitárias, à medida que os pubs e as igrejas fecham. Tudo isso contribui para a sensação de que não há nada no mundo que tenha qualquer valor e, portanto, a perda da liberdade de sair e se associar com muitos tem sido mais um inconveniente do que uma questão de vida ou morte.
A prominência de vida, morte e mortalidade, no entanto, desempenha um papel importante na crise atual. Caçar temores sobre a saúde para incutir a conformidade com a política governamental tem-se mostrado um grande sucesso, precisamente porque a população já está pronta para acreditar que está em risco. Isso ocorre porque, de muitas maneiras, ela está. Uma população obesa, envelhecida, mental e cronicamente doente já está bem versada no medo internalizado de sua própria incapacitação e morte. Jogar com base nisso é a estratégia de Relações Públicas perfeita, que seria inconcebível em uma sociedade forte e viril.
Todos esses fatores contribuíram para a conquista do mundo pelo Coronavírus e, coletivamente, significam um longo inverno para a liberdade humana. As liberdades que perdemos podem ser restauradas gradativamente nos próximos meses e anos, mas nos mostramos amplamente dispostos a abandonar nossos direitos e penosamente lentos em pedi-los de volta.
Não há razão para acreditar que um evento como o Coronavírus não possa acontecer novamente. Vivemos em uma era de política crônica, não aguda, em que as narrativas perduram por meses e anos. O mal-estar cultural e social subjacente, a neurose coletiva e a morte espiritual de vastas áreas do Ocidente não serão revertidos rapidamente. Nosso único recurso é começar a nos enraizar novamente em uma vida heideggeriana autêntica, buscar indivíduos com ideias semelhantes e construir comunidades robustas e resilientes que possam prosperar nesta paisagem existencial sombria. Enquanto outros vivem suas vidas em êxtase, devemos abraçar a realidade com vigor e trabalhar para recuperar nossa realidade.”
(Veiko Hessler, How Coronavirus Took Over The World)

https://thewardenpost.net

domingo, 24 de abril de 2022

Dylan Thomas: A Mão que Assina o Ato Assassina a Cidade

A mão que assina o ato assassina a cidade.
Cinco dedos reais taxam o ar – é a lei.
Cevam o morticínio e ceifam um país;
Os cinco reis que dão cabo de um rei.

A mão que manda mana de um ombro em declínio,
Cãibras deduram nós nos dedos que a cal cala.
Penas de ganso firmam o assassínio
Que pôs fim a uma fala.

A mão que assina o pacto traz a peste,
Praga e devastação, o gafanhoto e a fome;
Grande é a mão que pesa sobre o homem
Ao rabisco de um nome.

Os cinco reis contam os mortos mas não curam
A crosta da ferida e o rosto já sem cor.
A mão rege a clemência como a outra os céus.
Mãos não têm lágrimas a expor.

Tradução de Augusto de Campos

sábado, 15 de janeiro de 2022

O aborto e a contracepção na Grécia antiga


“Na Grécia antiga não existia nenhuma lei contra o aborto, porém Hipócrates, o “pai da medicina”, era contra essa prática, a não ser que a saúde da mulher estivesse em risco. Hipócrates tinha ainda algumas recomendações de métodos contraceptivos, como afirma Nikolaos Vrissimtzis:
“… recomendava que, se fosse necessário evitar a gravidez, as relações sexuais deveriam ocorrer nos dias inférteis do ciclo menstrual. Outro recurso era a relação sexual no período da menstruação.”
Utilizavam ainda para impedir a fecundação o coito interrompido, e como técnicas abortivas aplicavam até encantamentos mágicos, veneno e drogas como espermicidas, ferro sulfúreo e carbonato de chumbo. Nikolaos Vrissimtzis também aborda descrições de escritores sobre esse assunto:
“Segundo Dioscórides (Matéria Médica), se uma mulher grávida pisasse sobre uma raiz de ciclâmen, abortaria. Ainda de acordo com o mesmo escritor, a raiz de aspárago, levada como amuleto, tornaria a pessoa estéril (ibid,151). Plínio diz que, se uma mulher grávida comesse ovo de corvo, provocaria o aborto (História Naturalis, X, 32).”
Lydie Bodiou relata também algumas receitas abortivas realizadas na Grécia, como: “Pegue uma pitada de grão leucoium, cinco ou seis bostas de cabras, misture em vinho de muito bom aroma. Então administre uma boa fumigação preparada com água e óleo e feita sobre um assento. Depois da fumigação dê a mistura para beber. Em seguida, lave a mulher e faça deitar; ela comerá couve e beberá o líquido liberado por seu cozimento.”
Os motivos que levavam as mulheres gregas a praticarem o aborto eram inúmeros, desde a estética, para preservar o corpo, a fatores econômicos, como não se ter muitos descendentes para não precisar dividir o patrimônio, além de ser bastante realizado pelas prostitutas a fim de não prejudicar o seu trabalho.
É interessante frisar que para Platão (República, 461) o feto não era um ser humano, e somente depois do nascimento que se tornava então um ser vivente; isso legitimava o aborto, e o tornava aceitável; já o infanticídio era condenado por lei e era considerado um ato criminoso.
Assim, as práticas abortivas e os contraceptivos na Grécia antiga eram utilizados sem restrições apesar de não serem totalmente apoiados pelos médicos, que normalmente incentivavam tais práticas quando eram necessárias para manter a vida da mulher.”

https://cpantiguidade.wordpress.com

domingo, 19 de dezembro de 2021

Verdadeira e falsa piedade

“Algumas pessoas que querem ser piedosas se dedicam à piedade sentimental e estão convencidas de que não serão ouvidas por Deus, a não ser que recitem determinada fórmula, e isto diante de tal imagem e não de outra, e em tal dia e não em outro, e acreditam nisso com tanta firmeza como se o tivessem lido no Evangelho, enquanto ignoram quase completamente as palavras de vida que nosso divino Salvador nos deixou ali.
A tais pessoas não falta o que se chama devoção - talvez sejam as mais piedosas da paróquia - mas sim, a correta espiritualidade. Não sabem distinguir o essencial do secundário, e assim a ordem dos valores é nelas alterada, de modo que os de pouco valor lhes parecem mais importantes que os de primeira categoria. É que essas almas se deixam levar, sem se darem conta, por um espírito pseudo-religioso, que é justamente a melhor arma do demônio para corromper as almas piedosas”.
(Mons. Straubinger, Espiritualidade Bíblica)

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Suma Teológica: Se Deus está em todas as coisas


“O primeiro discute-se assim. — Parece que Deus não está em todas as coisas.
1. — Pois, o que é superior a tudo, não está em tudo. Ora, Deus é superior a tudo, conforme a Escritura (Sl 112, 4): Excelso é o Senhor sobre todas as gentes, etc. Logo, Deus não está em todas as coisas.
2. Demais. — O que está em outra coisa, por esta é contido. Ora, Deus não está contido nas coisas, mas antes, as contém. Logo, não está nelas, mas elas é que estão nele. Por isso diz Agostinho: Todas as coisas estão, antes, nele, que ele, em qualquer delas.
3. Demais. — Quanto mais intensa é a virtude de um agente, a tanto mais longe se estende. Ora, Deus é agente de máxima virtude. Logo, a sua ação pode estender-se a tudo o que dele dista, sem ser necessário estar em todas as coisas.
4. Demais. — Os demônios também são seres e, contudo, Deus não está neles, pois como diz a Escritura (2 Cor 6, 14), não há comércio entre a luz e as trevas. Logo, Deus não está em todas as coisas.
Mas, em contrário. — Um ser está onde age. Ora, Deus age em todas as coisas, segundo a Escritura (Is 26, 12): Senhor, tu és o que fizeste em nós todas as nossas obras. Logo, Deus está em todas as coisas.
SOLUÇÃO. — Deus está em todas as coisas, não, por certo, como parte da essência ou como acidente de cada uma delas, mas como o agente está presente ao que aciona. Pois, é necessário que todo agente esteja em conjunção com o ser sobre o qual age imediatamente, e o atinja pela sua virtude; e assim Aristóteles prova que móvel e motor devem existir simultaneamente. Ora, tendo Deus a existência idêntica à essência, o ser criado há de necessariamente ser efeito próprio seu, assim como queimar é efeito próprio do fogo. Ora, tal efeito Deus causa nas coisas, não somente quando começam a existir, mas enquanto subsistem; assim como a luz é causada no ar pelo sol, durante todo o tempo em que permanece iluminado. Logo, enquanto subsistir uma coisa, é necessário que Deus lhe esteja presente, conforme o modo de existência próprio dela. Ora, o ser é o que de mais íntimo tem uma coisa e o que de mais profundo existe em todas as coisas; pois, comporta-se como forma em relação a tudo o que na coisa existe, conforme no sobredito se colhe. Logo, é necessário que Deus esteja, e intimamente, em todas as coisas.
DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Deus é superior a todos os seres pela excelência da sua natureza; e contudo está em todas as coisas e lhes é causa do ser, como antes se disse.
RESPOSTA À SEGUNDA. — Embora se diga que uma coisa corpórea esteja em outra, quando nesta está contida, contudo, os seres espirituais contêm aquilo em que estão; assim, a alma contém o corpo. Por isso Deus está nas coisas por as conter. Todavia, por semelhança com as coisas corpóreas, dizemos que todas estão em Deus, porque as contém.
RESPOSTA À TERCEIRA. — A ação de nenhum agente, por maior virtude que tenha este, atinge o distante, senão por intermédio de um meio. Ora, é pela sua virtude máxima que Deus age imediatamente sobre todas as coisas. Por isso nada há tão distante que Deus, por assim dizer, não contenha em si. Dizemos porém, que as coisas distam de Deus, por dissemelhança de natureza ou de graça, assim como dizemos que ele é superior a todas pela excelência da sua natureza.
RESPOSTA À QUARTA. — Os demônios têm, de Deus, a natureza, não, porém, a deformidade da culpa. Por onde, não se pode conceder, de modo absoluto, que Deus esteja neles, senão acrescentando-se: enquanto seres. Devemos porém dizer, absolutamente, que Deus está nas coisas cujos nomes designam uma natureza não deformada.”
(I Sent., dist. XXXVII, q. 1, a. 1; III Cont. Gent., cap. LXVII)

http://permanencia.org.br